Estilos de Cerveja – O Mínimo Que Você Precisa Saber

Um dos maiores desafios de quem se aventura pelo universo da cerveja de verdade é se achar em meio à enorme diversidade de estilos. Mais difícil ainda quando constata que esse universo está em constante expansão. Desde o início da revolução da cerveja artesanal nos Estados Unidos nos anos 80 e 90, a cada ano novos variantes são criadas e muitas delas sequer podem ser encaixadas nos estilos tradicionais. Mesmo os guias formais de estilo (BJCP ou Brewers Association) estão sempre correndo atrás da criatividade dos cervejeiros artesanais que criam e recriam estilos constantemente. 
Para se ter uma ideia, dia desses me propus a identificar as variantes apenas do tradicional estilo inglês India Pale Ale e encontrei nada menos do que 10 sub-estilos: english, american west coast, american east cost, session, imperial, belgian, white, black, brett e red IPAs. E esse número não para de crescer em praticamente todos os estilos.
O importante para quem está iniciando é identificar as três grandes famílias: as Lagers, as Ales e as Lambics. O que as diferencia basicamente é o tipo de fermentação. Nas lagers a fermentação ocorre a baixas temperaturas e no fundo dos tonéis. Nas ales a fermentação ocorre as temperaturas levemente mais altas e na superfície. Já nas Lambics a fermentação é natural, espontânea e com os tonéis abertos. Importante notar que a cor, a intensidade alcoólica, o amargor ou a complexidade independem da família. Temos lagers escuras, complexas e alcoólicas (como as doppelbocks) e ales claras e leves (como as pale ales). Assim como temos lagers leves e claras (pilsen) e ales escuras, complexas e alcoólicas (belgian dark strong ales). Apenas como parâmetro básico as ales tendem a ser mais complexas e pesadas e as lagers tendem a ser mais simples e leves. Mas apenas “tendem a” pois existem inúmeras exceções.
O importante é não dar muito bola para essas classificações mas conhecê-las apenas para você saber o que esperar de cada cerveja e, especialmente, a ocasião certa para degustá-la. Meu conselho: permita-se sempre ao novo. Praticamente todo estilo terá o seu momento certo e é um grande prazer poder navegar nessa incrível diversidade do mundo da cerveja de verdade. 
Ps: achei bem interessante e didático esse gráfico ao lado para quem está começando. Apenas com a ressalva que ele incluiu as cervejas de fermentação espontânea entre as ales, o que é um erro. Apesar de serem de alta fermentação como colocado, elas formam uma família à parte. Mas pode dar uma ideia simplificada do universo.
Ps1: não encontrei as fontes dos gráficos na internet.
Ps: Decifrando as IPAs – 
http://bit.ly/1pJRFQt

Recent Posts

Leave a Comment