Enquete do Bob 2016 – Considerações Pessoais

bob2Finalizada a votação da Enquete do Bob, valoroso trabalho do jornalista Roberto Fonseca e o mais completo e representativo levantamento sobre o que pensam os agentes do setor da cerveja artesanal, é hora de um balanço dos resultados.
Foram 360 jurados.  De sommeliers a empresários, de cervejeiros caseiros a jornalistas especializados,  de blogueiros como eu a até mesmo o pessoal do mainstream. Um completo mapa do setor. Vale conferir os resultados na íntegra (links no final do post).

Impressão geral
Os votos foram pulverizados ao extremo o que demonstra um mercado bastante diversificado e com importantes características regionais. Afasta um pouco daquela crítica de ter um grupo direcionando tendências de consumo.
Entre as melhores do Brasil nas 7 categorias, Curitiba (com 4 vencedoras) e Porto Alegre (com 2) confirmam a posição de principais pólos cervejeiros do país.
Os resultados confirmam ainda uma tendência por estilos “azedos”. Além de melhor estrangeira os estilos azedos foram apontados como aqueles que carecem de maior produção no Brasil por quase 1/4 dos votos.
O nível de abstenção foi assustadoramente alto em se tratando de especialistas. Tem muita gente que trabalha com cerveja mas não bebe cerveja. Ou bebe sempre a mesma. E horas de vôo são fundamentais.
Teve muita gente ainda trocando estilos e ale por lager o que é inadmissível.
E o maior ponto negativo é o auto voto. Vergonha alheia.
Vamos às principais perguntas:

1. Melhor Ale Produzida no Brasil
Vencedora: Morada Hop Arábica (5,8% dos votos)
Meu voto: Seasons Holy Cow #2
Pulverização total. Venceu a criação do André Junqueira de Curitiba  com 6% dos votos. Trata-se de uma blond ale com precisas notas de café. Sofisticada e leve representa uma fatia significativa do público que prefere sutileza à intensidade. Muito merecido.
Votei na Seasons Holy Cow #2, talvez a única American IPA brasileira no nível das americanas
Obs: meu voto seria da Bodebrown Tripel Montfort Wood Aged Merlot 2014. Mas entendi que por ser uma cerveja de 2014, sem produção em 2015, não seria justo.

2. Melhor IPA Produzida no Brasil
Vencedora: Seasons Green Cow (10,8% dos votos)
Meu voto: Seasons Holy Cow #2
Só posso reputar o resultado à uma maior dificuldade em encontrar a Holy Cow. Me parece que a maioria que votou na Green (39) não provou a Holy (36).
Obs: confirmando sua expertise em lúpulos a gaúcha Seasons levou no geral 21% dos votos da categoria.

3. Melhor Stout Produzida no Brasil
Vencedora: DUM Petroleum (13% dos votos)
Meu voto: DUM Petroleum
A DUM Petroleum permanece soberana no estilo. Mais uma curitibana na lista que ano após ano demonstra a solidez de sua receita.

4. Melhor Lager Produzida no Brasil
Vencedora: DUM Jan Kubis (8,0%)
Meu voto: Evil Twin Brasil Big Bang Lager
De novo a DUM. Realmente uma lager intensa e refrescante. Minha opção pela Big Bang foi pela sutileza e leveza que espera-se de uma lager. Mas título muito merecido.
Obs: faço aqui uma menção à Swamp Pilz My Balls. Como IPL seria meu voto.

5. Melhor Bock Produzida no Brasil
Vencedora: Bamberg Bambergerator (18% dos votos)
Meu voto: Bamberg Bambergerator
Estilo pouco consumido mesmo entre o pessoal do meio, teve 22% de abstenção.
Obs:  confirma a paulista Bamberg como especialista na escola alemã.

6. Melhor Sour/Wild Ale Produzida no Brasil
Vencedora: Tupiniquim Funky & Sour (13,6% dos votos)
Meu voto: Way Brett IPA
Surpreenderam também aqui as abstenções: 16%.  Eu votei na Way Brett IPA 100% fermentada com brettanomyces. Uma das raras cervejas que na garrafa estava bem melhor do que on tap. São as maravilhosas leveduras trabalhando.
Obs: além da gaúcha Tupiniquim vale destacar as linhas sour da Way e da Morada

7. Melhor Cerveja Matura em Madeira do Brasil
Vencedora: Bodebrown Tripel Montford Wood Aged Series 2014 (10,5% dos votos)
Meu voto: DUM Petroleum Carvalho Francês
Essa bode é hors concours. Mas é 2014. Por isso votei na Petroleum Carvalho Francês
Obs: a curitibana Bode alcançou 30% dos votos válidos reforçando sua expertise em barril. Samuel, aguardamos novidades em 2016!

8. Melhor Ale Estrangeira à Venda no Brasil
Vencedora: Duchesse de Bourgnone (5,8% dos votos)
Meu voto: The Bruery Tart of Darkness
Votação pulverizada mas o prêmio fica em boas mãos. Surpreende apenas pelo estilo: uma azeda.

9. Melhor Lager Estrangeira à Venda no Brasil
Vencedora: Brooklyn Lager (18,6%)
Meu voto: Mikkeller Draft Bear
Os votos na Brooklyn imagino se devem mais pela facilidade de acesso e custo/benefício. Considero uma cerveja bem comum.
Obs:  uma pena que as pilsners tchecas cheguem em petição de miséria por aqui ou certamente dominariam.

10. Melhor Sour/Wild Ale à Venda no Brasil
Vencedora: Duchesse de Bourgnone (15% dos votos)
Meu voto: The Bruery Tart of Darkness
Repetimos a dobradinha de melhor ale. Que venham mais azedas.

11. Melhor Cerveja Matura em Madeira à Venda no Brasil
Vencedora: Harviestoun Ola Dubh 18 (3,8% dos votos)
Meu voto: The Bruery Tart of Darkness
Outra com abstenção alta: 21% . Venceu uma da linha Ola Dubh (18) da Harviestoun que infelizmente ela não produz mais a Ola Dubh 40 (melhor cerveja que já provei). Mas vale o prêmio à linha como um todo.
Por coerência meu voto permaneceu na Tart of Darkness.

12. Melhor Cerveja Caseira
Aqui a pulverização é total e completa. Quero apenas ressaltar meu voto para a Frohenfeld Rauch Porter do Raul Schuchovski de Curitiba. Uma porter intensa com maltes defumados e drinkability absurda que chega a lembrar a Maple Bacon Coffee Porter da Funky Buddha. Faltam boas defumadas no Brasil.

13. Melhores Bares
Melhor bar cervejeiro do Brasil pela ordem: EAP (São Paulo), Hop’n Roll (Curitiba) e Bier Markt Von Fass (Porto Alegre).
Meu voto: BrewDog Bar (São Paulo).
Chopp em melhor condição pela ordem: Botto Bar (Rio de Janeiro), EAP (São Paulo) e BrewDog Bar (São Paulo).
Meu voto: Empório Weiss Agua Verde (Curitiba)

14. Questões Gerais
• O Brasil conseguirá ter uma escola cervejeira? Sim 50% e não 12%. Eu tenho convicção que não e que isso pouco importa. Se tivermos cervejas boas ótimo.
• Estilos de cerveja que carecem de maior produção no Brasil pela ordem: sour (20%), barley wine (4%), wood aged (3%) e gose (3%). O pessoal quer azedas no barril. Fica a dica.
• 84% dos votantes tomaram mais cervejas nacionais e 16% mais importadas (eu nesse grupo)
• 63% dos votantes tomaram mais cervejas em garrafa enquanto 36% em chopes e growler. Em 2015 estive no primeiro grupo mas em 2016 pelo andar da carruagem estarei no segundo.

Também ao longo da enquete foram levantados os melhores e piores fatos cervejeiros de 2015 assim como a opinião de cada um sobre as recentes aquisições de artesanais pela da AB-Inbev (Colorado e Wäls) seguindo uma tendência mundial. Espero escrever um post específico sobre esse ítens na sequência.
Parabéns ao Bob e recomendo que acessem os resultados (aqui) e os todos os votos (aqui)

Recommended Posts

Leave a Comment