To Øl Reparationsbajer – 4,0

A To Øl é quase um clone da Mikkeller. Ambas são dinamarquesas, ambas são ciganas e ambas empurram os limites. Não por acaso o Mikkel, fundador da Mikkeller, foi professor no colégio dos fundadores da To Øl, Jensen e Ghynter. Essa Reparationsbajer (cerveja reparadora) é uma American Pale Ale com lupulagem de India Pale Ale. Tem a força (força mesmo) dos deliciosos Nelson Sauvin, Centennial e Amarillo com uma suave base maltada. A To Øl diz que preparou essa APA justamente para o dia seguinte (da ressaca): “para massagear o paladar e reforçar a crença de que um deve sobreviver mais um dia!” Deliciosa APA, talvez a melhor que eu já tenha provado. Para os lupulomaníacos de plantão.

País: Dinamarca
Estilo: American Pale Ale
Quando beber: especialmente nos dias de ressaca (rs)
Harmonização: dansk smørrebrød højbelagt rullepølse

 

To Øl Bryggeri
A To Øl é mais uma cervejaria cigana da Dinamarca. Fundada em Copenhagen no ano de 2010, tem uma forte ligação com a hoje mais famosa cervejaria daquele país, a Mikkeller. Seus fundadores, Tobias Jensen e Tore Ghynter, foram alunos, ainda quando estavam no colégio, daquele que viria a ser o fundador da Mikkeller, Mikkel Borg Bjergsø. Não por coincidência a To Øl  segue exatamente os mesmos passos do seu professor. Ou seja, nas palavras da cervejaria: “usar sempre as melhores matérias-primas , nunca fazer concessões com o gosto , não seguir a moda ou certos estilos e sempre ter a mente aberta.”
Com cigana a produção é sempre feita em instalações de parceiros. No caso dessa APA na  De Proef Brouwerij, Lochristi-Hijfte, na Bélgica.

Avaliação  
Rótulo moderno, muito bacana.
Vertida no pint apresentou um líquido âmbar, bastante turvo, opaco e com um creme quase bege de excelente formação, boa persistência e com marcas.
O aroma é uma pancada de lúpulos, cítricos, maracujá e também herbais. Algumas notas resinosas e terrosas compõe o mosaico lupulado. Ao fundo, uma sutil base de mel.
Na boca essa combinação deliciosa permanece com notas cítricas e resinosas sobre uma base de mel. Um conjunto rústico e agressivo, mas bem equilibrado. O final é potente, amargo e seco trazendo notas resinosas, alguma adstringência e algo como uma leve pimenta. O aftertaste é intenso, com notas cítricas e herbais.
O corpo é médio assim como a carbonatação. A drinkability, para os lupulomaníacos, é altíssima.
Me agradou muito.
www.to-ol.dk

 

Recommended Posts

Leave a Comment